Sindrome de Burnout: Como driblar esse mal

Atualizado: 22 de fev.

Quem não gosta de uma vida agitada? Conciliar trabalho, tarefas de casa, colégio das crianças, levar filho no parquinho, médico, cinema, etc. É, uma vida agitada tem seu preço e as vezes sai caro. Vivemos em um mundo onde constantemente temos que lidar com situações estressantes. Esse é o problema! Como manter o equilíbrio em meio a tantas tarefas e ao mesmo tempo passar por situações que exigem controle mediante a situações estressantes? Isso consome nossa energia, nos desgata.


Segundo Maslach e Leiter (1997): “[...] os indivíduos que estão neste processo de desgaste estão sujeitos a largar o emprego, tanto psicológica quanto fisicamente. Eles investem menos tempo e energia no trabalho, fazendo somente o que é absolutamente necessário e faltam com mais frequência. Além de trabalharem menos, não trabalham tão bem. Trabalho de alta qualidade requer tempo e esforço, compromisso e criatividade, mas o indivíduo desgastado já não está disposto a oferecer isso espontaneamente. A queda na qualidade e na quantidade de trabalho produzido é o resultado profissional do desgaste”.



enfermeira con sindrome de burnout, cansada, exausta.
Foto 01 - Profissional da Saúde com exaustão

Dia após dia, ano após ano, cresce o número de profissionais da saúde com esgotamento físico e emocional. Um cansaço que parece não ter mais fim, um esgotamento mental.


Em 1974 o psicólogo norte-americano Freudenberger, trás a tona o mais novo distúrbio baseado em sintomas que ele e seus colegas estavam enfrentando, a Sindrome de Burnout. Freudenberger criou a expressão staff burnout para descrever uma síndrome composta por exaustão, desilusão e isolamento em trabalhadores da saúde mental.


Profissionais da saúde exaustos depois de um dia de trabalho
Foto 02 - Profissionais da Saúde com exaustão

De acordo com Vanderberghe e Huberman, 1999, Burnout pode ser definido como uma síndrome psicossocial surgida como uma resposta crônica dos indivíduos a estressores interpessoais no trabalho.


As profissões mais vulneráveis ao Burnout são aquelas vinculadas à educação e cuidados direcionadas a um público (alunos, pacientes, usuários de serviços de saúde etc.), as quais têm uma relação de atenção direta, contínua e altamente emocional.


Para a médica psiquiátrica Telma Ramos do Hospital das Clínicas de São Paulo, o termo Burnout é definido, segundo um jargão inglês, como aquilo que deixou de funcionar por absoluta falta de energia. Metaforicamente é aquilo, ou aquele, que chegou ao seu limite, com grande prejuízo em seu desempenho físico ou mental.


Por se tratar de uma exaustão emocional os sintomas relacionados ao transtorno abrangem sentimentos de desesperança, solidão, depressão, raiva, impaciência, irritabilidade, tensão, diminuição de empatia; sensação de baixa energia, fraqueza, preocupação; aumento da suscetibilidade para doenças, cefaléias, náuseas, tensão muscular, dor lombar ou cervical e distúrbios do sono.




Fatores de risco que podem desencadear a Sindrome de Burnout.


Fatores relacionados a Organização